Quinta-Feira, 19 de Outubro de 2017
 
  Página Inicial
  Trabalhos Abiaf
  Palavra do Presidente
  História
  Diretoria
  Estatuto da ABIAF
  Associados ABIAF
  Logística
  Legislação
  Galeria de Fotos
  Classificados
  Fornecedor ABIAF
  Banco de Empregos
  Notícias
  Rede de Armazens
  Calendário Eventos
  Ficha Associação
  Artigos Técnicos
  Man. Téc. Operacional
  Tecnoteca Associados e Fornecedores
  Condições Gerais de Armazenagem
  Fale Conosco
  Indique nosso site
Voltar » Quemsomos Untitled Document
Nossa História
Tamanho letra
A- A+
 

HISTÓRIA DA ABIAF


 


                     No dia 13 de março de 1979, 07 (sete) empresários do setor: Fábio Figueiredo (CEFRI), Eduardo Vasone (ARFRIO), Fábio Starace Fonseca (FRIOZEM), Jorge Carlos Nahas (REFRIO), J. Pazini (CEAGESP), Luiz Paulino de Carvalho Moreira Leite (CAP) e Aziz Mahfuz (LOCALFRIO), fundam a ABIAF – Associação Brasileira da Indústria de Armazenagem Frigorificada.



                        Não foi sem um grande esforço e obstinação que esses empresários, construíram a maior e mais moderna indústria do gênero na América Latina.


                         A partir da década de 1970 novos grupos de empresários começaram a investir no setor, ampliando a então incipiente rede nacional com apenas 100.000 m³ de câmaras frigoríficas para as atuais 4.554.308,3 m³.


                         O mais interessante nessa história é que ela prova a eficiência das leis de mercado. Partindo de uma participação de 30% do setor, a iniciativa privada ampliou-se criando uma indústria pujante formada por pequenas e médias empresas.


                         Não houve um macro-planejamento para essa indústria, e nem mesmo as episódicas interferências governamentais atrapalharam o seu desenvolvimento.


 


BREVE HISTÓRIA DA INDÚSTRIA DE ARMAZENAGEM FRIGORÍFICADA NO BRASIL


 


- 1910 a 1940 - Nessa época o Brasil era importador de alimentos como: carnes, manteiga e alguns peixes e frutas.


                         Existiam apenas algumas pequenas câmaras frigoríficas em mercados de alimentos, de propriedade da municipalidade, importadores e distribuidores de alimentos.


                         Na década de 1910 foram construídos no Brasil 02 (dois) armazéns frigoríficos de uso público:


 



  • 1913 – Porto do Rio de Janeiro

            Av. Rodrigues Alves


            Capacidade: 34.000 m³


 



  • 1914 – Porto de Santos

            Cia. Docas de Santos


            Capacidade: 24.700 m³



 


- 1950 -          O governo brasileiro começou a construção de centros de distribuição de alimentos frescos os então chamados CEASAS, nos quais foram instaladas pequenas câmaras para alimentos resfriados e congelados.


                         Nesse estágio, carne congelada de péssima qualidade era vendida e rejeitada pela maioria dos consumidores; Comida congelada passou a transmitir a imagem de comida de baixa qualidade.


                         Novas indústrias de pescado foram instaladas nos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Grandes indústrias de carne foram fundadas pelas companhias estrangeiras Swift e Armour, Anglo, bem como, pelo Grupo Brasileiro Mouran.


                         Em 1953 a família Vasone construiu no bairro da Mooca em São Paulo, seu primeiro armazém frigorífico a ARFRIO, uma moderna instalação com 27.000 m³ de capacidade, projetada pela SAMIFI.


 


- 1960 -          Foram nos anos 60 que as indústrias de alimentos congelados e resfriados realmente começaram. Equipamentos para congelamento industrial foram importados pelas indústrias de pescados e carne.


                         Em 1967 foi fundada, por Fábio Figueiredo, a primeira empresa de distribuição de comidas congeladas, Freezer Alimentos Congelados S.A., em São Paulo, envolvendo a comercialização de peixe congelado, lagostas, camarões, peixes, camarões empanados e pratos prontos, com uma cadeia de 400 (quatrocentos) pontos de vendas em supermercados e empresas de catering.


                         A primeira indústria brasileira de pratos prontos de alimentos congelados foi a Supergel em 1968, com o Know How do Grupo Alemão Apetito.


                         A Supergel reuniu em seu controle acionário dois pesos pesados da economia brasileira: Sebastião Camargo, controlador da Construtora Camargo Corrêa e Pery Igel principal acionista do Grupo Ultra (Ultragaz/Ultracargo).



                        Esse empreendimento foi organizado e presidido pelo Comte. Luis Fernando Carneiro, um dos principais articuladores e incentivadores do setor no Brasil.


                         Em 1968 surge ainda, a segunda empresa do setor – A Coimpal.Também em 1968, surge a FINDUS, da Nestlé, no Rio Grande do Sul. Começa a industrialização e a comercialização de peixes congelados.


                         Novos congeladores domésticos para supermercados, de boa qualidade, começaram a ser produzidos no Brasil; Esta década assistiu ao início de 03 (três) importantes produções, onde o Brasil tornou-se um dos maiores exportadores mundiais: a de suco concentrado de laranja (Eduardo Rinzler – Avante), frango e carne bovina.


 


- 1970 -          Em 1970 o país dispunha de uma rede de armazéns frigoríficos de uso público com capacidade de 100.000 m³, aproximadamente 70% das instalações pertenciam ao Estado, que cobrando tarifas abaixo dos níveis ideais, o que inibiu o crescimento do setor e a ampliação da participação da iniciativa privada.


                         Uma grande crise de falta de espaço para a armazenagem de produtos para consumo, ocorrida entre 1970 e 1973, deflagrou um processo em que o Estado ampliou a sua rede e financiou a iniciativa privada que se dispôs a investir na área.


                         Em 1972 a CEFRI instalou em Mairinque (SP) sua primeira câmara frigorífica com 40.000 m³, licenciada pela empresa Sueca Frigoscandia Contracting. Era o início da modernização e desenvolvimento dos armazéns frigoríficos de uso público.


                         A Frigoscandia, associada ao Grupo Mineiro BMG, construiu 02 (dois) outros armazéns em Uberlândia-MG, com 40.000 m³ e Itajaí (SC) com 70.000m³.


                         Outras empresas foram instaladas nessa época, tais como: Friozem (Fábio Fonseca), Refrio (Jorge Nahas), Localfrio (Família Vasone) e Ceagesp; A Arfrio da família Vasone inicia a construção da segunda unidade em Barueri/SP.


                         As novas instalações construídas nesse período aportaram uma tecnologia igual à dos países mais adiantados, capacitando-se a operação com produtos destinados aos mercados mais exigentes e sofisticados.


                         A indústria forneceu o apoio indispensável ao crescimento das exportações de pescado, suco de laranja, frangos, carne bovina, e mais recentemente, sucos de frutas tropicais, frutas “in natura”, polpas de frutas, extrato de café solúvel, chocolates, derivados lácteos, dentre outros.


                         No mercado interno a indústria estabeleceu uma rede que tornou possível a disseminação do consumo do alimento congelado e a ampliação das vendas de alimentos resfriados no país.


                         A Ameise instala sua fábrica de empilhadeiras elétricas. O Grupo Saturnia produz as baterias, fornos microondas começam a ser fabricados no Brasil.


                         Grandes estoques reguladores de carne congelada começaram a ser formados pela Cia. Estatal Cobal.


                         Em 1978 foi fundado o IBRAGEL – Instituto Brasileiro de Alimentos Supergelados contando com os inestimáveis apoios do seu presidente Comte. Luis Fernando Nóbrega Carneiro e Fábio Figueiredo, Alan Lioret e Oswaldo Kiescwester como vice-presidentes.


 


- 1980 -          Esta década assistiu a um grande aumento de consumo e venda de alimentos congelados e resfriados.


                         Restaurantes do tipo: “fast food”, como Mc Donald´s, Bob´s, Kentucky Chickens, Arby´s, Jack in the Box, Pizza Hut, e outros começaram vastas operações. Catering tornou-se uma grande indústria com 03 milhões de refeições fornecidas, todos os dias, na cidade de São Paulo.


                         Em 1981, o IBRAGEL deu início aos ”cursos de congelados domésticos” para donas-de-casa. Esses cursos multiplicaram-se na época, atingindo uma média de 20.000 pessoas por mês.


                         Os consumidores foram preparados para comprar alimento congelado em supermercados.


                         Inestimável a contribuição do casal Edmundo e Cecília Pastorello, que difundiram as técnicas e vantagens da utilização de alimentos congelados/resfriados.


                         Em 1988 é fundado o IBF – Instituto Brasileiro do Frio e em 1989 o IBRAF – Instituto Brasileiro de Frutas, nossos inestimáveis parceiros até hoje.


                         Em 1989 a Indústria de Armazenagem Frigorificada de uso Público, alcançou 1,8 milhões de m³, sendo 71% de empresas privadas e 29% de empresas governamentais, invertendo-se assim, os índices iniciais. 



 


- 1990 -          A década de 90 começou com novos projetos criando crescente expansão da rede e ajustando-se às demandas de mercado.


                         A indústria prosseguiu seu esforço na área de melhorias tecnológicas das instalações, incorporando inovações com o objetivo de torná-las mais eficientes e reduzir o custo operacional, notadamente nas áreas de utilização de energia, automação e desenvolvimento de softwares de gerenciamento de estoques e de frotas.


                         Através da participação de outras atividades de pesquisa, a indústria buscou maior eficiência dos equipamentos e reduções de custos dos investimentos nas instalações que, ainda hoje, corresponde ao dobro do custo em países mais desenvolvidos;


                         Tem sido também elevada a preocupação com a melhoria da mão-de-obra especializada, para a manutenção e a operação das instalações.


                         Em 1990 a Indústria operou com uma utilização muito variável, desde 20% a 30% em algumas áreas e até 50% a 70% em outras; Algumas instalações operavam durante vários meses com ocupação inferior a 5%.


 


- 2008 -          Chegamos em 2008, com mais de 4.500.000 de metros cúbicos, representando ainda, a ponta de um imenso “iceberg”, tendo em vista, o enorme potencial oferecido pela economia brasileira.


 


 


 

 
Voltar » Quemsomos
Resolução Mínima de 800x600 © Copyright 2017, ABIAF.
Publicidades
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Visitas no portal
Total do dia: 202
Total: 514.531
 
Desenvolvido por